...também leia aqui crônicas, veja as artes, etc...

Luiz Komoda




(18) 3222-4506
(18) 98806-7622 (oi)

Presidente Prudente

komoda@kompre.com.br

Morto ignora vida

31/10/2014 09:28

Morto ignora vida    Este texto foi publicado em 31 out 2014 no jornal - mídia papel - O IMPARCIALno mesmo espaço que outros autores publicam (como Alexandre Garcia, por ex.)

O livro Eclesiastes 9: 5 e 6, da Bíblia Sagrada, confirma o título acima: “Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco terão eles recompensa, mas a sua memória fica entregue ao esquecimento. Também o seu amor, o seu ódio, e a sua inveja já pereceram, e já não têm parte alguma para sempre, em coisa alguma do que se faz debaixo do sol”. Toda pessoa que repousa no jazigo não sente, nem pensa, nem participa de coisa nenhuma que se faz na Terra. Conclui-se  que o cemitério é o maior local repleto de ignorantes: quanto mais mortos, mais ignorantes da vida!

No dia de Finados, os vivos se lembram dos mortos. E nós, os vivos, podemos ainda fazer considerações sobre vida e morte: em todo o planeta Terra existem apenas duas categorias de humanos: A) Os vivos  B) Os mortos.

Todos vivos conhecem apenas um tipo de mortos: os que foram para a sepultura, aqueles que enterramos (antes de chegar nossa respectiva vez). Este é o status de quem já foi pro “seol” (ou “sheol” que conhecemos como “sepultura”) como todas as demais vitimas da primeira morte, descrita por Eclesiastes. Todos os que estão enterrados (seja em cemitérios, outros locais, soterrados ou no fundo de águas doces ou salgadas) são estes mortos.

A grande maioria ignora que, dentre estes mortos, há duas categorias distintas: 1) O morto-morto  2) O morto-vivo.

1) O morto-morto é o morto que sofrerá duas mortes (além da comum primeira morte - o sono temporário, acordável - colherá a segunda e definitiva morte, a eterna. Isso ocorrerá no futuro, no Dia do Juízo Final) descritas por: Isaías 26:10 e 14 ¨Morrendo eles, não tornarão a viver; falecendo, não ressuscitarão; por isso os visitaste e destruíste, e apagaste toda a sua memória”; e Daniel 12:2: “E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno”. Desprezo eterno significa inexistência eterna de vida e qualquer tipo de prezar.

2) O morto-vivo é aquele que já passou ou passará pela primeira morte, mas ressuscitará na primeira volta de Jesus (com a primeira ressurreição que Ele fará) como explica o apóstolo João em Apocalipse 20:5 e 6: “Mas os outros mortos não reviveram, até que os mil anos se acabaram. Esta é a primeira ressurreição. Bem-aventurado e santo aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre estes não tem poder a segunda morte; mas serão sacerdotes de Deus e de Cristo, e reinarão com ele mil anos”. E Paulo confirma em 1 Corintios 15:52: “Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados”. Alguns nomes bíblicos dessa categoria são Moisés e os que ressuscitaram na morte de Jesus.  

Dentre os vivos também há duas categorias: 1) O vivo-morto 2) O vivo-vivo

1) O vivo-morto é o que aparentemente está vivo: anda, fala, se manifesta, faz tudo o que qualquer vivo faz. A diferença é que já pode ser considerado morto pois colherá futuramente a segunda e definitiva morte, a eterna, descritas acima para o morto-morto. Uma classe de pessoas enquadradas nesta categoria está descrita em Apocalipse 21:8:  “Mas, quanto aos tímidos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos que se prostituem, e aos feiticeiros, e aos idólatras e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre; o que é a segunda morte”.

2) Dentre as duas categorias dos vivos, os vivos-vivos são os que nunca conhecerão a morte, nem a primeira nem a segunda (que é a morte eterna). Vide 1 Coríntios 15:51, 53 e 54: “Eis aqui vos digo um mistério: Na verdade, nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados”. (Esse “dormir” é a primeira morte já explicada anteriormente). “Porque convém que isto que é corruptível se revista da incorruptibilidade, e que isto que é mortal se revista da imortalidade”. Existem dois exemplos bíblicos de arrebatados: Enoque e Elias.

 O derradeiro dia do justiça, o dia do Juízo Final (que executará a segunda morte uma única e derradeira vez), zerará toda e qualquer insatisfação de anjos (caídos ou não), humanos (salvos ou condenados) e de todos seres inteligentes do universo.

Ficará patente e indubitável que Deus Pai, Deus Filho e o Espírito Santo envidaram todos esforços, possíveis e impossíveis, para resgatar anjos e humanos. Os que se perderam fizeram por merecer. Todos reconhecerão esse trabalho divino: “Porque está escrito: Como eu vivo, diz o Senhor, que todo o joelho se dobrará a mim. E toda a língua confessará a Deus”. Romanos 14:11. Os que se salvaram o foram unicamente pelos méritos de Jesus. Esta grande epopéia da raça humana está revelada na Bíblia Sagrada.

Deus deseja isso para nós: não que sejamos mortos eternos que ignoram a vida e sim vivos conscientes da vida e que vivem a vida eterna em status eternamente felizes! Se precisarmos passar pela primeira morte, que então ressuscitemos como mortos-vivos. Mas se não precisarmos morrer, então seremos os vivos-vivos que nunca perderam ou ignoram a vida! Preparemo-nos para a volta de Jesus e a indescritível felicidade do encontro de remidos leitores, escritores, etc, amigos de Jesus, para aprender os detalhes durante a eternidade!